Páginas

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Governo e grevistas não chegam a acordo

A Tarde

A reunião entre grevistas e representantes do governo, intermediada pelo arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, terminou sem acordo. Após 24 horas de negociações, na residência episcopal, no bairro da Federação, alguns impasses entre as propostas do Governo e as reivindicações dos grevistas impediram que os participantes do encontro chegassem a um denominador comum.

De acordo com a assessoria de comunicação da Polícia Militar, por meio de nota divulgada à imprensa na noite desta terça, as propostas apresentadas pelo Governo do Estado não satisfazem os grevistas e, por sua vez, a contraproposta das Associações também não podem ser atendidas.

As exigências das asssociações, não aceitas pelo Governo, são: pagamento da GAP IV, a partir de março de 2012, e da GAP V em março de 2013; a não aplicação de sansões administrativas, disciplinar ou criminal, aos participantes do movimento paredista, que não tenham sido flagrados praticando atos contrários à lei e a ordem; a garantia do cumprimento das prisões preventivas nas unidades prisionais do Estado, preferencialmente em presídio militar.

Além disso, as associações pedem a criação da mesa de negociação para o estudo dos demais itens, estabelecendo prazo para execução, com a seguinte composição: Governo do Estado, Comando Geral da PMBA e entidades representativas.

Mais cedo, o governador do Estado, Jaques Wagner, afirmou, por meio da Secretaria de Comunicação do Estado (Secom), afirmou que as negociações entre governo e grevistas poderiam ser concluídas ainda hoje. Em entrevista cedida à imprensa, nesta manhã, Wagner reiterou o interesse em reestabelecer a segurança pública na Bahia.

Para agilizar este acordo, representantes das associações policiais e do governo, se reuniram, desde a última segunda, na residência episcopal, onde discutiram resoluções para o conflito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário